Bate e volta em Sirmione: conheça uma das principais atrações do Lago di Garda

Já ouviu falar de Sirmione? Se não, este post é para você. É nessa cidadezinha medieval localizada na beira do Largo di Garda – o maior da Itália! – que você conhece um dos castelos mais preservados do país. E não pára por aí. Dependendo da hora que você chegar dá para aproveitar bastante o dia, visitando ruínas de uma antiga vila romana, almoçando e, no verão, quem sabe, até pegar uma praia de água doce. Ah! A cidade também é reconhecida por suas águas termais e é um destino popular entre os próprios italianos. Fizemos tudo isso em nosso bate e volta em Sirmione de Milão? Não, não fizemos. Além de não dar tempo, tivemos alguns percalços. Como por exemplo… Vem comigo que eu mostro para você!

Bate e volta em Sirmione: como chegar?

Você consegue chegar a Sirmione tanto de transporte público (uma combinação de trem e ônibus) quanto de automóvel. Nós fomos com a segunda opção como um bate e volta a partir de Milão. Foram cerca de duas horas de viagem utilizando, principalmente, a Autoestrada A4. Vale lembrar que ela possui pedágios e nós gastamos um total de 15,20€. Para nós, compensava, já que estávamos em quatro dentro do carro.

De transporte público a partir de Milão, a opção mais rápida é pegando um trem (sentido Triestre Centrale) na estação de trem Milano Centrale, descer na estação Peschiera Del Garde e pegar o ônibus Peschiera Bivio Stazione Fs, que vai sentido o centro histórico. Vale conferir suas opções no site do Trenitalia.

Mas, atenção! Se você for de carro, como a gente, chegue cedo! Nós nos programamos para chegarmos de manhã e, mesmo assim, a cidade estava muito movimentada. Cheia mesmo. Então os estacionamentos mais próximos do centro histórico estavam todos lotados e sem vagas para parar. Nós acabamos parando a uns vinte minutos a pé do centrinho e tivemos que colocar as pernas para jogo para chegar o mais rápido o possível no Castelo Scaligera, já que havíamos gerados os ingressos com antecedência (e era um domingo. A atração só fica aberta na parte da manhã – 8h30 às 13h30 – neste dia da semana). Combinado?

Outro adendo importante: na Itália é comum os centros históricos serem intitulados de ZTL, ou seja, zona de tráfego limitado. Sirmione é assim. E, voyajante, se você entra em uma dessas sem a devida permissão (uma reserva de hotel que fica lá dentro ou algo do tipo), você corre um belo risco de tomar uma bela multa. Então, fica esperto com as placas.

Já segue a gente no Youtube?

O que fazer em Sirmione?

Se você estiver indo para Sirmione no verão, pode programar uma “praia”, já que os locais vão para as margens do Lago di Garda tomar sol e entrar na água. E não, não é quentinho. Mas depois de um tempo morando aqui na Europa a gente entende que as pessoas por aqui tem um relacionamento diferente com o Astro-Rei e com a estação mais quente do ano, e agora eu já até simpatizo com os “doidos” que entram na água gelada.

Mas, voltando. Tirando a “praia”, existem três outras atrações principais em Sirmione: as Grutas de Catullo, que são ruínas do que provavelmente foi a maior vila romana do norte da Itália; os spas de águas termais e, por fim, o Castello Scaligero. E falemos mais sobre ele.

Castello Scaligero

A primeira coisa que você vê ao chegar no centro histórico de Sirmione é o Castello Scaligero. Acredita-se que ele tenha sido construído em meados do século XIV em cima de uma fortificação romana que existia por ali. A família Della Scala, que dá nome ao castelo (Scaligero, a-hã?), era a poderosa da região e dominava não só Verona como também uma boa área de Veneza. Sentiu? Sua influência só entra em declínio no século XVI. De lá para cá, foram altos e baixos. Durante a Era Napoleônica e as dominações austríacas, a construção serviu de alojamento e depósito de armas. Mais recentemente recebeu escritórios municipais, correios, polícia e cadeia. A revitalização que deixou o castelo do jeitinho que está hoje só ocorreu em 1919.

Estrategicamente localizado, o castelo servia não só para defesa como também era uma espécie de alfândega devido a sua proximidade com as águas do lago. Aliás, que proximidade! Não sei se é mais bonito ver o Lago di Garda de dentro da fortaleza ou ver a paisagem como um todo: do lago com o castelo. O destaque é a torre de 37 metros de altura que, originalmente, era a residência do castelão e, depois, o dormitório dos soldados. Dali tem se uma das vistas mais bonitas das águas.

O preço para visitar o Castello Scaligero é 5€ por pessoa e você pode comprar na hora. Lembrando que nos domingos eles atendem apenas pela manhã, como já falei lá em cima, e eles não abrem às segundas-feiras. Nós, aqui do Voyajando, não pagamos nada porque entramos com agendamento do nosso Abbonamento Musei Lombardia, um cartão que dá acesso a diversos museus, mostras e exposições na região por um preço único. Somando todas as atrações que queríamos visitar na semana que estávamos por lá, compensou muito comprar o cartão, que é válido por um ano.

Bate e volta em Sirmione

Bônus: castelo mal-assombrado

Há quem diga que o Castello Scaligero é mal-assombrado. O fantasma que vive ali é de um homem apaixonado que perdeu sua esposa de uma forma muito, muito cruel. Reza a lenda que ali vivia um casal feliz. Seus nomes são Ebengardo e Arice. Em uma noite de tempestade, um soldado chamado Elaberto Del Feltrino pediu abrigo no castelo e o casal o recebeu. Ao ver Arice, Elaberto a quis para ele (como se ela fosse um objeto, né não?) a qualquer custo.

E eu que estou contando a história, não vou ficar romantizandoı as ações do dito cujo. Nada com “ficou encantado com a beleza de Arice”. Me poupa, né? Mas, voltemos. O Elaberto foi atrás dela e a atacou. Arice lutou pela sua vida e acabou morrendo. Ebengardo chegou tarde demais e se vingou do maldito. Até hoje seu fantasma vaga pelas muralhas em busca de sua esposa.

Almoço em Sirmione

Se o perrengue número 1 foi encontrar um lugar para parar o carro, o perrengue número 2 foi achar um restaurante para almoçarmos. Vale destacar aqui que na Itália é muito comum a reserva e, não, não é só chegar chegando. Eles podem até atender você, mas obviamente a preferência é para quem fez a reserva. Mas, Jeanine, porque foi perrengue então?

Porque a gente havia reservado um restaurante que, no fim, era muito longe do centrinho histórico. E como foi difícil achar vaga, seria um tiro no nosso pé irmos lá para o almoço e voltarmos depois. Ou ainda, tirar o carro do estacionamento para ir lá e ter que procurar outro lugar para parar. Teríamos conhecido menos ainda de Sirmione, a pérola do Garda. Sim, esse é o apelido da cidade. Logo, desmarcamos com o restaurante 1 e começamos a procurar pelo restaurante novo. Mas, todos estavam cheios. No aplicativo de reservas, só haviam horários para mais tarde. E a fome estava ali, naquela hora.

Acabou que, após andarmos pelas ruas e vielas da cidade, encontramos um restaurante grande e, demos a sorte (obrigada Se-nhor!), de uma mesa estar sendo desocupada no momento em que estávamos perguntando se eles tinham mesa para quatro pessoas. A garçonete limpou e já chamou a gente para sentar. Não sei se a combinação morrendo de fome e cenário incrível tiveram algo a ver com isso, mas ali foi um dos melhores macarrões que eu comi nessa minha passada pela Itália. Bom demais. E o que é bom, o Voyajando recomenda.

Booking.com

Bistrot da Mario

O Bistrot da Mario parece aqueles restaurantes que vendem de tudo para agradar a todos. No menu que você vai ver a foto aí embaixo, vai ver que tem desde pratos rápidos como sanduíches, brusquetas, saladas e pizzas, até almoços mais elaborados, com primeiros e segundos pratos. Se você não sabe como é o ritual de comer na Itália, indico para você este post aqui que a @jenifercarpani explica as diferenças entre os pratos e como eles comem na Terra da Bota. Va bene?

Eu e a Jenifer fomos de Spaghetti alle Vongole (9€). O Bruno e o Gian de pizza. Cada um escolheu um sabor e dividiu quando os pratos chegaram na mesa. Foram eles: Caprichosa (10€) e 4 Formaggi (11€). Em relação a bebidas, foram dois Aperol Spritz (5€). Os maridos foram de cervejas.

Passeio pela Orla

Depois, fomos aproveitar o dia bonito e fazer um passeio pela orla do lago. Ou, podemos dizer, fazer a digestão. Estávamos indo sentido as Grutas de Catullo, mas não chegamos até lá. Decidimos voltar e tomar um belo gelato, já que Sirmione também é conhecida por suas generosas porções. Nas ruas do centro histórico você encontra inúmeras gelaterias. Eu peguei de pistache e café. Sinceramente, não consegui tomar até o final! Hahahaha

E assim terminou o nosso passeio de bate e volta em Sirmione a partir de Milão. Voltamos sentido casa e ainda passamos em um outlet no caminho. Um dos motivos de termos saído antes do escurecer da cidadezinha medieval. Se tiver tempo, programe-se para conhecer a Pérola de Garda, nem que seja para um almoço ou um gelato. Você não vai se arrepender!


  • Alberobello e Locorotondo: duas cidades na Puglia que você precisa conhecer
    Está passeando pelo sul da Itália e quer algumas opções de cidades para visitar que vão além das belas praias? Pois você pode considerar conhecer o Valle d’Itria. Se você acabou de chegar aqui com esse post, saiba que no último verão fiz uma viagem pela região da Puglia (Apúlia em português) e estou contando […]
  • Morar fora do Brasil: como é morar em Dublin, na Irlanda?
    Não é segredo para ninguém que nós do Voyajando Blog adoramos contar histórias. Tanto as nossas quanto as dos outros. Foi assim na série de intercâmbios que tivemos por aqui. E foi assim quando compartilhamos sagas de pessoas em busca dos reconhecimentos de suas cidadanias italianas. Dessa vez o tema é Morar fora do Brasil […]
  • Para Roma, com Amor: a origem (e as curiosidades) do Coliseu
    Eu não sei você, mas conhecer o Coliseu era um dos itens da minha lista de desejos subconsciente. Aquela que fica lá no fundinho da sua memória e se forma quando você ainda é criança, sabe? Ai, quero um dia ver o Deserto do Saara de perto. Será que pode entrar nesse Stonehenge aí? A […]
  • Roteiro Polignano a Mare: o que fazer nesse paraíso na região da Puglia, na Itália
    Já contei para vocês aqui no blog que no verão passado pegamos o nosso carrinho e saímos de Milão rumo à região da Puglia (Apúlia em português), lááá no finalzinho da Itália, no calcanhar da bota, né? Se você não viu os posts anteriores sobre essa viagem, te convido a dar uma olhadinha caso esteja […]
  • Como é morar na Colômbia? Brasileira muda com família para Bogotá
    Quando queremos morar fora do país, muitas vezes pensamos em nos mudar para países da Europa ou para os Estados Unidos, por questões como idioma, moeda forte, familiaridade com a cultura (por causa dos filmes e referências) e tantos outros porquês – e cada um tem o seu. Ok… Mas e os países da América […]


SOBRE NÓS

O Voyajando surgiu do sonho de criar um espaço para trocar dicas de passeios, restaurantes, hotéis e tudo o mais que envolve os pequenos períodos maravilhosos da vida que chamamos de viagens. São elas que nos proporcionam a possibilidade de descobrir novos universos, ter contato com outras culturas e outros jeitos de ver a vida. O Brasil e o mundo estão cheios de lugares incríveis. Vamos conhecê-los juntos?
Booking.com

COMPRE SEUS INGRESSOS

________

Posts  Relacionados

Deixe  um  comentário

0 comentários

Trackbacks/Pingbacks

  1. Além do Duomo: 10 atrações para visitar em Milão, na Itália – Voyajando - […] Pietà de Michelangelo. No dia seguinte iríamos até o Castello Scaligero, que fica em Sirmione (e tem matéria sobre…

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: