Quanto custa para reconhecer a Cidadania Italiana? Nossas indicações!

Começamos aqui no blog uma série sobre como foi o processo de reconhecimento da nossa Cidadania Italiana. No post de hoje vamos relatar quanto foi – mais ou menos – o investimento que fizemos em toda a parte Brasil e depois na Itália. Quem já sabe um pouco do processo sabe que esse investimento não é pequeno e exige um planejamento bem grande, emocionalmente e financeiramente falando. Para que você possa também entender uma geral sobre o que vem por aí caso decida pelo procedimento administrativo, fica com a gente até o final do post. Fizemos tudo com o máximo de detalhes possível – mas se você está com preguiça de ler agora, vai até o final do texto para ler o resumo.

  • Hey voyajante! Só um lembrete: todas as matérias aqui do blog sobre o reconhecimento da cidadania italiana foram feitas com base na nossa experiência com o nosso processo administrativo, feito diretamente em uma comune da Itália. Cada caso é um caso, e nenhum processo de reconhecimento é igual ao outro (nem o meu e o da @jeaninecarpani foi). Para ver os demais posts que já fizemos, clica aqui.

Parte Brasil

A maioria dos posts sobre esse tema estão divididos em “Parte Brasil” e “Parte Itália“. Explico: além da diferença óbvia entre as moedas utilizadas (Brasil = real e Itália = euro), é preciso levar em consideração também que enquanto a parte Brasil você pode ir fazendo “aos poucos” se quiser, a parte Itália é “valendo”. Ou seja, o maior planejamento financeiro também deve ser levado em consideração para quando você estiver “vivendo em euro” e, provavelmente, não poderá trabalhar (a não ser que seja remoto para o Brasil).

o Documento do Italiano

Já contei aqui no blog em um dos posts sobre a Cidadania Italiana que tivemos ajuda com o documento do italiano, né? A querida Camilla Saldanha foi até a cidade onde nosso antepassado nasceu e buscou o documento para nós, apostilou, e nos enviou por DHL para o Brasil. O envio do documento da Itália para o Brasil custou aproximadamente € 60 (com a cotação da época, o total foi de R$ 282,26).

Dica: alguns assessores que trabalham com isso fazem essa parte da Itália e o preço varia muito de pessoa para pessoa. É sempre legal orçar com pessoas que são recomendadas por outras. Veja também se há reclamações na internet com relação à essa pessoa. O processo de reconhecimento é um mercado e, como em qualquer profissão, há os bons e os maus profissionais.

Busca em cartórios e Retificações

Mas chega de lenga-lenga e vamos aos números. Como varia de processo para processo, os nossos maiores gastos com a documentação foi para a emissão em inteiro teor de todos os documentos e a retificação (tivemos que retificar a grande maioria). A nossa sorte é que todas as retificações foram feitas de forma administrativa em todos os cartórios, mesmo assim, cada cartório no Brasil cobra da sua maneira então os preços foram bem variados.

Também custeamos várias buscas por diversos cartórios do Estado de São Paulo e de Minas Gerais. E com relação a essas buscas nós já perdemos as contas, kkkkcry. Mas cada uma, em cada cartório diferente, custou a partir de R$ 37,81 (a cada dez anos é cobrado uma nova busca). Por isso, se você tem todos os documentos na sua mão, ou se alguém já fez esse processo antes e passou todas as indicações de cartórios para você, jogue suas mãos para o céu e agradeça muito, porque OLHA, é um desafio – bem caro – achar. E ainda bem que achamos! Muita gente nem encontra os documentos e fica anos procurando.

Após encontrarmos os documentos, temos que pedir a emissão em inteiro teor de cada um dos documentos – emissão paga, claro – e verificar documento por documento se há algum erro. Encontrado o erro, pedimos para o cartório retificar administrativamente. Ele nos diz se pode fazer administrativamente, manda os custos e o que tem que fazer para retificar – cada cartório pede uma coisa diferente. Estou falando tudo isso porque aqui há custos embutidos de envio de formulários preenchidos, cópias autenticadas dos nossos documentos comprovando parentescos e muito mais, que não foram contabilizados aqui – também porque varia muito, se você foi até o cartório, se enviou por correio, se o cartório aceita a solicitação por e-mail, e assim vai.

Depois de fazermos tudo isso descrito acima com cada um dos cartórios que entramos em contato (foram SEIS cartórios no total), eis:

Custos total com cartórios no Brasil (retificações + emissões em inteiro teor) = R$ 2.345,00

Ah, uma coisa que pode aumentar o investimento: nós arrumamos TUDO que fazia parte da linha de descendência italiana. Ou seja, o que era na Itália PaOlo e virou PaUlo, voltou a ser PaOlo nos documentos. O que em algum momento da vida do meu bisavô – Deus sabe lá porquê – virou CarpanE, voltou a ser CarpanI em todos os documentos. A mesma coisa com datas, com detalhes de locais de nascimento e assim por diante. Assim como cada cartório no Brasil tem seu próprio modus operandi, na Itália também acontece isso com as comunes – vai da interpretação do oficial. E se ele tiver dúvidas sobre o seu processo, pode dar problema.

TRADUÇÃO DOS DOCUMENTOS PARA A CIDADANIA ITALIANA

Logo no início do processo, quando chegou o documento da Itália, precisamos de um tradutor juramentado para que fizesse a tradução do documento italiano para o português, para podermos dar início às retificações no primeiro cartório do Brasil, referente ao casamento do italiano com um brasileira. Para achar um bom tradutor, você pode procurar nos grupos de cidadania italiana ou na JUCESP – Junta Comercial de São Paulo. Nós procuramos na Jucesp porque queríamos um tradutor de São Paulo (SP) – tínhamos pressa para traduzir esse primeiro documento e dar início a todas as retificações logo.

Foi lá que encontramos a Alina Araújo (o contato dela está aqui embaixo). Achamos o trabalho dela super correto, rápido e justo. Adoramos! O valor é dela é calculado com base na Tabela de Emolumentos da Jucesp para Tradutores Públicos do Estado de SP. Ou seja, é com base no número de caracteres de cada um dos documentos. Gostamos tanto que continuamos com ela até o final do nosso processo no Brasil (quando vem a grande quantidade de documentos para serem traduzidos do português para o italiano).

Recomendação de tradutora (Português – Italiano) – Alina Araújo – alina.garaujo@gmail.com

Total da tradução dos documentos para o processo de reconhecimento da cidadania italiana: R$ 3.490,60

Apostilamento

Conforme você vai “evoluindo” no processo, os custos também evoluem, hahaha. Então depois das traduções de todos os documentos da sua linha de descendência, vem a parte dos apostilamentos. Mas antes disso, uma breve pesquisa para você entender o que é:

A Convenção da Apostila de Haia no Brasil entrou em vigor em agosto de 2016. O tratado, tem o objetivo de agilizar e simplificar a legalização de documentos entre os 112 países signatários, permitindo o reconhecimento mútuo de documentos brasileiros no exterior e de documentos estrangeiros no Brasil.

Basicamente, é para provar para a Itália que os documentos que você está levando para apresentar lá são verdadeiros. Quem faz o apostilamento no Brasil são os cartórios. E agora vem a grande questão: cada estado brasileiro tem uma tabela própria para cobrar por esse apostilamento. Sim, senhoras e senhores. Enquanto em São Paulo o valor da apostila é de R$ 117,95 por cada documento, em Brasília, por exemplo, o valor é de R$ 41,20. Baita diferença né?

Confesso que ficamos com medo de enviar nossos preciosos documentos originais (como você pode ver acima, já havíamos investido muito tempo e dinheiro neles) por Correios para Brasília e até cogitei a ir para lá pessoalmente levar esses documentos para apostilar. Também pesquisamos outros estados do País onde poderíamos fazer o apostilamento – como Porto Alegre, por exemplo, que cobrava R$ 52,02 por documento.

Mas depois de muito pensarmos, enviamos os documentos por Correios mesmo para Brasília rezando para dar tudo certo. E deu! O cartório JK é rápido, eficiente e sempre nos posicionando em que “pé” que estavam os apostilamentos (indicação à seguir). A economia de não fazer em São Paulo e enviar para a Brasília, fazendo as contas rapidamente agora, foi de mais de R$ 2,5 mil, só contando os apostilamentos (também fizemos outros serviços junto).

Indicação de Cartório para Apostilamento de documentos: Cartório JK Brasília
Site JK Brasília
+ 55 (61) 3799-1529 ou 1515

O custo total dos nossos apostilamentos foi então de (envio para Brasília + apostilamentos + autenticações necessárias do processo): R$ 1560,65

Deu um orgulho danado de ver essa pasta pronta!

Finalizada toda essa parte burocrática de documentos, também montamos uma pastinha mega bonita, com adesivos e os documentos separados em plásticos, em ordem cronológica e tal, e um pen-drive com todos os nossos documentos escaneados para facilitar a vida da oficial do comune. Esses custos também não foram incluídos aqui porque vai de você querer ou não montar a sua pastinha organizada – apesar de eu recomendar muitíssimo, a oficial ficou super feliz com a organização e com nosso pen-drive hehe.

Curso de italiano

No início de janeiro de 2020 – ou seja, praticamente um mês e meio antes de embarcarmos para a Itália – entramos em um curso intensivo básico de italiano em São Paulo. Foi o mês ideal para nos matricularmos nesses cursos rápidos, já que é um mês de férias, e haviam vários deles. Nós fizemos o intensivo – todos os dias de semana à noite durante cerca de um mês – na Aliança Cultural Italiana com a professora Michela Ruta (adoramos ela e a turma no geral!), e pagamos aproximadamente R$ 1,3 mil por pessoa.

Depois disso, veio a pandemia e cancelou nossa ida à Itália. Para continuarmos estudando, compramos o acesso anual do Busuu, um aplicativo e site de ensino de línguas. Gostei bastante da metodologia deles – nunca me adaptei muito bem ao Duolingo – e por lá consegui continuar o estudo do italiano, aprendendo mais palavras e um pouco mais de gramática. Paguei, na época, cerca de R$ 80 para o acesso premium por um ano porque peguei uma promoção – mas antes disso, super dava para fazer várias das lições gratuitamente. Para ver se você gosta e testar o método por 30 dias gratuitamente, você pode usar meu link.

Parte Itália

Respira fundo e agora vamos para a parte mais doida do processo. Se você acha que a saga já tinha sido grande até aqui, não sabe de nada, inocente kkkkk. Ainda mais se você “resolve” acrescentar nessa receita um tempero “especial” chamado “viajar em ano de pandemia”. Poisé.

Bom, para tentar resumir o nada resumido post – como todos aqui da Cidadania Italiana – saiba que os valores aqui vão variar DEMAIS, como em tudo. Então vou me ater aos valores usados para o processo da cidadania em si e depois posso voltar para falar no blog um pouco sobre a vida na Itália durante toda a espera para que o reconhecimento se conclua (por exemplo mercado, lazer, passeios).

A entrada da nossa casa na Itália!

Chegada na Itália

Pastinha em mãos – na mala de mão para ficar bem segura – e partiu Itália. Se você não for viajar em um ano de pandemia como nós, é muito provável que você chegue diretamente no país italiano. De qualquer forma, já estime os valores das passagens e o ideal é que você pegue um vôo direto para a Itália para ter seu carimbo de entrada da Europa no próprio país (assim não terá que ir até a questura fazer uma declaração de presença, como nós fizemos).

Então nessa conta já tem: passagem aérea + ida até o comune que você escolheu para fazer o seu processo de reconhecimento da cidadania italiana (se você contratou assessoria, algumas vezes o próprio assessor busca você no aeroporto, mas aí vai de cada caso).

Aluguel na Itália

Falando nisso, você tem a opção de contratar uma assessoria que vai ajudar você no processo e também no aluguel de uma casa na Itália ou de fazer tudo sozinho. Sinceramente, essa é uma das partes mais complicadas: alugar uma casa na Itália pode ser um desafio até para depois do reconhecimento da cidadania (não estou brincando).

Quando estávamos com tudo pronto para vir em março de 2020, conseguimos um contrato com uma imobiliária italiana em um pequeno comune no Vêneto. No entanto, após a pandemia e não conseguirmos embarcar, perdemos a oportunidade e a casa já estava alugada para o fim de outubro de 2020 (quando finalmente conseguimos chegar na Itália).

Já contamos no outro post que contatamos então a Luciana Quadros Canassa. Ela nos auxiliou no aluguel de uma casa em uma pequena cidade do Piemonte. Foi ela que intermediou com o proprietário da casa onde foi nosso lar por três meses e também durante todo o processo (nos levando para fazer cada um dos procedimentos necessários para a cidadania). Então fica aqui a nossa super recomendação do trabalho dela e da Verônica Mambrini, que foi nossa “voz italiana”, atuando como intérprete durante o nosso processo junto aos oficiais itlaianos (fizemos o curso de italiano, como disse lá em cima, mas foi super básico).

Vamos aos investimentos: para alugar a casa na Itália (com contrato de residência de três meses em nosso nome, tudo certinho) + o trabalho de intermediação e ajuda em todos os passos da Luciana + o trabalho de intérprete da Verônica, usamos aproximadamente € 4 mil, para nós duas. Nesse valor foi incluído um adiantamento para as contas de água, luz e gás e a caparra, que é o valor que o proprietário do imóvel cobra antes de entrarmos (tipo um caução), que é devolvido se a casa estiver com tudo ok, conforme nos foi entregue.

Nossa casinha na região do Piemonte na Itália!

CUSTO-EXTRA “SURPRESA”: PASSAPORTE BRASILEIRO ERRADO

Quando eu digo que você tem que vir para a Itália preparado para tudo, é porque você deve vir para a Itália preparado para tudo. No dia de entregarmos os documentos para a residência, a oficial reparou – sim, só a oficial kkkk – que o passaporte da Jeanine estava com erro no local de nascimento, dizendo que ela havia nascido em São Paulo, sendo que o local de nascimento é em Suzano já contei essa tour na Parte Itália, quem leu sabe, kkkkk.

Resumidamente, a @jeaninecarpani teve que entrar em contato com o consulado de Milão e correr para lá para fazer um novo passaporte com os dados corretos de nascimento dela. Após um agendamento pelo site do consulado e preenchimento dos formulários, ela conseguiu uma data para a semana seguinte. Para a emissão de um novo passaporte, o valor pago foi de € 120achamos bem alto em relação ao valor cobrado para emissão de passaporte no Brasil, mas enfim, era necessário.

Custos do processo de cidadania italiana

Agora chegou a hora de falarmos sobre os custos do processo em si (como se todo o resto não fizesse parte né? Kkkkk). Por incrível que pareça, ao nosso ver, os custos de fazer o processo de reconhecimento da cidadania na Itália não são altos – se comparados com toda a tour que foi até aqui. Eles são referentes, principalmente, a alguns pequenos passos da burocracia italiana, mas bem diferentes do que costumamos ver no Brasil.

Após a assinatura do contrato de residência junto ao proprietário do imóvel, compramos uma marca da bollo (que é esse selo aqui embaixo) na tabacaria da cidade, no valor de € 16 e entregamos junto com a domanda (um formulário) preenchido com toda a nossa linha de descendência do italiano até nós.

Marca do bollo para a domanda de entrega dos documentos

Depois da entrega da domanda e dos documentos todos (aqueles que você levou sei lá quanto tempo para achar + traduzir + apostilar lá no Brasil), você espera. E espera. E espera (tem post no blog sobre a parte Itália). Aí chega uma cartinha e TCHARAM você é cidadã italiana. Hahaha. Lembrando que aqui no meio dessa espera tem os gastos com mercado, lazer e tudo o mais que você fizer com a sua espera na Itália gastando seus eurinhos.

Logo depois que passa a emoção, você só paga mais algumas coisinhas kkkk. Pois chegou a hora de você emitir a sua Carta d’identità, ou ID – que é o equivalente ao nosso RG. Para ela, pagamos diretamente no comune € 22,20, cada.

Depois de pedir a sua ID, você pode também emitir o seu passaporte. Para isso, você precisa comprar outra marca da bollo, no valor de € 73,50, na tabacaria mesmo. E também o Bolletino Postale € 42,50 (foto), cada.

Bolletino Postale

Resumo dos custos da Cidadania Italiana

Se perdeu no post? Então fique tranquilo, resumi tudo para você aqui embaixo (mas recomendo MUITO que você leia o passo a passo de tudo o que escrevi, a gente aprende muito com a experiência dos outros também, né?).

Ah, e os valores totais descritos abaixo são referente a duas pessoas – no caso, eu e a @jeaninecarpani – e, de novo, excluem os gastos com transporte e alimentação.

Parte Brasil:

€ 60 – DHL para envio do documento italiano para o Brasil (com a cotação da época, o total foi de R$ 282,26)
R$ 2.345,00 – cartórios no Brasil
R$ 3.490,60 – tradução de documentos
R$ 1.560,65 – apostilamento dos documentos
*R$ 1.300 – curso de italiano intensivo básico (total duas pessoas R$ 2,6 mil)
*R$ 80 – acesso ao Busuu Premium (total duas pessoas R$ 160)

Total parte Brasil: R$ 10.438,51
*Custos opcionais do processo

Parte Itália:

€ 4.000 – aluguel da casa + caução + caparra + intérprete
€ 16 – cada marca da bollo para entrega da domanda na comune (total € 32)
*€ 120 – passaporte brasileiro novo da @jeaninecarpani
€ 22,20 – cada Carta d’identità (total € 44,40)
€ 73,50 – marca da Bollo para Passaporte (total € 147)
€ 42,50 – Bolletino Postale para o passaporte (total € 85)

Total parte Itália: € 4.428,40
*Custo extra do nosso processo

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s