Como é a vida de Au Pair nos EUA? Um intercâmbio na Califórnia

Acabamos de começar nossa #sérieintercâmbio e já a consideramos pakas (kkkk, alô galera dos tempos do Orkut). E esperamos que você, caro leitor, também esteja gostando dessas entrevistas que mostram como é a imersão nos estudos em outros países, línguas e culturas diferentes. Falamos aqui da experiência em Dublin, vivida pela coautora do blog @jeaninecarpani. E já trouxemos também como foi fazer um intercâmbio de férias em Nova Iorque, experiência que foi vivida pela nossa amiga Luiza.

Hoje vamos cruzar os Estados Unidos rumo ao oeste, mais precisamente na “…Califórnia, viver a vida sobre as ondas”. Essa foi uma das músicas mais ouvidas pela jornalista e intercambista Pamella Massola, quando ela decidiu que estava indo para os EUA em julho de 2019, rumo a um intercâmbio de Au Pair. A Pam, como chamamos, também é uma amiga querida muito próxima, e acompanhamos de perto todo o processo desde a decisão pelo intercâmbio até, praticamente, o embarque rumo ao desconhecido.

Pamella foi viver seu sonho de intercâmbio na Califórnia

E se você pensa em fazer um intercâmbio como Au Pair, é legal acompanhar a entrevista abaixo para entender um pouco sobre a decisão, a rotina e os melhores e os “não tão bons” momentos que a Pamella passou até agora. Ela está entrando no seu segundo ano de intercâmbio, e já tem na bagagem muita história para contar!

– Qual intercâmbio você está fazendo?
Sou Au Pair! Nesse intercâmbio, vivo com uma família americana e cuido de duas crianças. O menino tem 7 e a menina 5 anos. Eles são meus amores mas, como toda criança, às vezes, me tiram do sério! Aqui tenho meu próprio quarto, trabalho de segunda a sexta e recebo um valor fixo por semana . 

– Para qual país você foi?
Sempre tive o sonho de viver nos Estados Unidos e hoje moro em San Diego, na Califórnia. O estado é conhecido como “O Paraíso” e não é mentira. Além das praias, existem muitas trilhas e atividades ao ar livre para serem descobertas. Nunca fui muito fã de natureza mas aqui minha opinião mudou muito. No entanto, se mesmo assim não for muito a sua cara, os shoppings, museus, teatro, bares e restaurantes também valem a pena. 

Pamella visitou até o Canadá durante o seu primeiro ano de intercâmbio

– Como foi no início?
Difícil! Morar em uma casa com uma família que não é sua, se encaixar na rotina, se adaptar à comida, ainda não ter amigos e ficar no seu quarto no seu tempo livre não é nem um pouco legal. Com o tempo, as coisas foram se ajeitando. Conheci pessoas incríveis, minha host family me ajudou bastante e me incluiu em vários programas. Também passei a amar minha própria companhia. Hoje, não ligo de ir ao cinema, praia ou até mesmo almoçar sozinha. Aprendi que sou minha melhor parceria e para esse ano dar certo, vou ter que me amar e me valorizar em primeiro lugar. Mas claro que ter alguém para contar os perrengues no final do dia ajuda muito. 

– Como foram as aulas, o curso que fez ou está fazendo?
Como Au Pair, é preciso completar no mínimo 72 horas de aula e a sua host family pode arcar com uma bolsa de até 500 dólares. No primeiro ano fiz o ESL – English as a Second Language com três horas de aulas de segunda à sexta. Agora no segundo, quero focar em alguns cursos de comunicação e marketing. 

– Qual foi o momento mais desafiador que passou durante o intercâmbio?
Acho que o agora! De forma alguma esperava viver meu intercâmbio junto com uma pandemia. Todos meus planos estão parados e sem previsão de retorno. Meu horário de trabalho aumentou muito porque estou com as crianças em casa todos dos dias desde março e aqui na Califórnia o próximo semestre será todo virtual. 

– Qual foi o melhor momento que você passou durante o intercâmbio?
Não digo um momento e sim todas as viagens que já realizei durante o primeiro ano. Já fiz meu check in em Los Angeles, Chicago, Orlando, Nova York e Winnipeg, no Canadá. Minha maior alegria é pisar em um aeroporto. Ir em um show dos Jonas Brothers aqui em San Diego também foi muito incrível. Como boa fã, estar na terra dos seus ídolos e vê-los de perto foi uma experiência inacreditável. Uma das músicas que mais ouvi na minha adolescência tinha o seguinte verso “Hello Beautiful, how’s going? I hear it’s wonderful in California…”. Quando ouvia em São Paulo, sonhava no dia que estaria nos EUA. Foi muito emocionante ouvir essa música ao vivo e estar realmente na Califórnia. Chorei sim ou com certeza? 

Pamella no show dos Jonas Brothers

– Que dicas daria para quem pensa em fazer um intercâmbio similar ao seu?
Pesquise muito sobre a agência que você for fechar seu programa. No Brasil existem três grandes companhias e cada uma delas com prós e contras. Também é necessário avaliar o que será mais importante para você durante seu ano: Qual a localização da família? Prefere clima quente ou frio? Quantidade e idade das crianças que quer cuidar? Quais seus planos e sonhos durante o ano? Quais cursos você quer fazer? Acho que essas são as primeiras e principais perguntas que você precisa criar antes de embarcar no programa, além de saber que nem tudo são flores quando chegar aqui. Terão dias de lutas mas de glórias também, e são eles que não vão te deixar desistir. 

– Você passaria por essa experiência novamente? Ou faria outro intercâmbio? 
Como au pair acho que não, mas outro intercâmbio penso e quero muito fazer. Sou muito grata por essa oportunidade que tive, mas cuidar de criança cansa, é trabalhoso e muito estressante. Por mais que ame meus kiddos acho que 2 anos são mais que suficientes. 

– Se você fosse dar uma dica para você mesma quando decidiu fazer o intercâmbio, qual seria?
Acho que diria para ter pensado menos e ter vindo um pouco antes. Sempre tive vontade de ter uma experiência fora do Brasil mas fui deixando de lado e colocando outras coisas como prioridade. Não é um arrependimento, mas talvez teria vindo assim que terminei a faculdade e não quase 2 anos depois.  

– Mais alguma informação sobre que gostaria de acrescentar?
Seria mais um complemento mesmo da dica pra quem quer fazer o Au Pair ou qualquer outro intercâmbio: se jogue! Viva cada segundo intensamente, aproveite todas as oportunidades e diga sim para todas as aventuras, com cuidado claro! O tempo aqui passa muito rápido e quando você menos esperar, já vai ter que pensar o que fazer quando seu intercâmbio acabar.

E aí, curtiram a entrevista da Pam e as dicas dela como Au Pair? Ela tá vivendo tudo agora mesmo, em 2020, e essa pandemia trouxe alguns aprendizados e experiências a mais para ela que está passando tudo dentro de uma família que não é a sua própria. Um baita desafio!

Semana que vem tem mais! Fiquem ligados que estamos bem animadas com essa #sérieintercambio que está trazendo relatos de experiências diferentes pelo mundo. Não esquece também de nos acompanhar pelo nosso Instagram @VoyajandoBlog, estamos sempre conversando e trazendo conteúdos por lá também!

3 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s