O que fazer em Verona? Meu passeio rápido em um dia de visita

Ah, a cidade de Romeu e Julieta! —- Pausa pra um suspiro de amor! —- Continuando a série de posts da Itália, hoje vou falar um pouco sobre minha rápida experiência na linda e charmosa cidade de Verona. O que fazer em um dia em Verona? É possível fazer um bate-volta saindo de Florença? O que de mais legal tem para fazer nessa cidadezinha?

Fomos a Verona saindo de Florença. E aí eu abro um parênteses para dizer que talvez não tenha sido a melhor escolha fazer um bate-volta de lá. A viagem – que fizemos com um carro alugado – demorou mais do que prevíamos. E chegamos tarde em Verona. Somado à isso, teve um perrengue de achar um lugar para estacionar, então tivemos apenas o período da tarde para passear, ver tudo correndo, e pegar estrada novamente para Florença. Então sim, é possível ir para Verona saindo de Florença, no entanto não é o que eu faria novamente (ainda mais que na sequência da viagem, nós seguimos para Veneza, ou seja, praticamente passamos por Verona de novo no dia seguinte – total erro de percurso mesmo!).

Nossa passagem por Verona foi tão rápida, que nem paramos para almoçar e ainda demos sorte de comer nosso melhor panino da viagem inteira!

Deu tempo de fazer a maioria das coisas que nos propusemos, mas foi em um ritmo diferente e mais apressado do que estamos acostumados. Dito isso, também acredito que Verona merece pelo menos uma pernoite. A cidade é lindinha, cheia de charme, e olhar as coisas com calma faz parte do encanto.

Vamos aos pontos turísticos de Verona?

O centro histórico de Verona preserva muitas ruínas romanas e grandes palácios, todos com o rosso di Verona, uma espécie de calcário rosa. E ainda tem a famosa Casa di Giulietta!

Dica: procure saber sobre o Verona Card que, com um único ingresso, dá acesso à maioria dos pontos turísticos da cidade (informações de 2018).

A linda Arena di Verona é um dos pontos turísticos super bem preservados na cidade

Castelvecchio

Essa foi nossa primeira parada depois que -finalmente – encontramos um lugar para estacionar o carro (trauma detectado kkkkk). O castelo é lindo e por dentro é um museu, que traz muitas obras (diz-se que é uma das melhores galerias de arte no Vêneto fora de Veneza) que remetem ao período medieval, romano, cristão e renascimento.

Algo que me chamou muita a atenção é a influência nortista nas obras. Aqui as pessoas eram retratadas com traços e de maneira diferente dos retratos de Florença e Roma. Além das pinturas, há também um acervo de armaduras e espadas. Durante o passeio você ainda pode andar pelas passarelas do castelo. Uma delas tem uma boa vista da Ponte Scaligero.

Castelvecchio, uma agradável surpresa na chegada à Verona

Ponte Scaligero

Ponte construída por Cangrande II entre 1354 e 1376. Conta-se que os veroneses têm muita afeição pela ponte e ela foi até reconstruída, depois que os alemães a explodiram em 1945.

A linda Ponte Scaligero

Arena di Verona

Parece o Coliseu, tem o formato do Coliseu, é um anfiteatro romano tipo o Coliseu, mas não é o Coliseu. Construída em 30, é o terceiro maior anfiteatro romano do mundo (depois do Coliseu e do anfiteatro de Santa Maria Capua Vetere, perto de Nápoles)*.

A arena surpreende porque está muito bem conservada, seu interior é quase intacto quase 2 mil anos depois de sua construção. Tanto que ainda recebe shows e apresentações até hoje em algumas épocas do ano.

O interior da Arena di Verona está em perfeitas condições e recebe apresentações até hoje

Casa di Giulietta

Eis o motivo pelo qual Verona me chamou atenção. Depois de assistir o filme Cartas para Julieta, fiquei com vontade de conhecer a cidade que teria inspirado o conto. Ninguém sabe ao certo se o casal Romeu e Julieta existiu, já que não há registros que provem se a história é real. Mas não podemos negar que a encantadora cidade se encaixa perfeitamente e como cenário ideal para ter abrigado esse romance.

Uma estalagem do século XIII se transformou, então, em um ponto turístico ao se tornar o lugar onde Julieta teria vivido – com direito a sacada que Romeu subiu para encontrar a amada e tudo. E a história ganha ares “reais”, com dezenas de visitantes que entram pelo beco da rua Cappello e uma fila disputada para tirar foto com uma estátua da Julieta – reza a lenda que se você pegar no seio da Julieta, você terá sorte no amor.

Eu não perdi tempo e fui lá garantir mais sorte no amor!

Ao contrário do pátio interno, com cadeados, bilhetes de amor, uma lojinha e a estátua, a mansão onde a família Capuleto teria morado não tem tantos visitantes assim. Lá dentro, você pode passear rapidamente pelos cômodos que mostram parte de figurinos, cenários e edições antigas de Romeu e Julieta. A parte que mais chama atenção é a que remete ao filme Cartas para Julieta em que você pode escrever uma cartinha de amor e ler cartas escritas por pessoas do mundo inteiro em telas interativas.

A história foi escrita por Luigi da Porto de Vicenza, na década de 1520 e inspirou incontáveis poemas, filmes, balés e peças de teatro*.

Dentro da Casa di Giulietta você pode escrever sua própria carta

Piazza Erbe e Piazza dei Signori

Hoje a Piazza Erbe é uma praça com uma feirinha que vende artesanato, ervas e muitas outras coisas. Já na época do Império Romano, a praça foi construída no local do antigo fórum romano e é o centro de Verona. O lugar guarda esse nome por causa do antigo mercado de ervas da cidade*.

Ligada à Pizza Erbe por um arco, chamado Arco della Costa (Arco da Costela), por causa de uma costela de baleia que foi pendurada no arco, a Piazza dei Signori possui uma estátua do século XIX de Dante e cercada por palazzi que foram construídos no século XIV.

No dia que fomos, ambas as praças estavam repletas de turistas que visitavam as feirinhas a céu aberto. Um passeio super gostoso que gostaríamos de ter tido mais tempo para curtir, mas precisávamos pegar estrada novamente de volta para Florença.

Também por falta de tempo, ficou faltando pontos turísticos importantes de Verona, que com certeza faremos quando voltarmos. Como é o caso do Duomo, a catedral de Verona, e a igreja San Zeno Maggiore, construída para abrigar o padroeiro da cidade, San Zeno. Fica para uma próxima!

*Fonte das informações: Guia Visual Folha de S. Paulo.
Viagem feita em nov/dez de 2018.

3 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s